Dores no Pescoço ou Coluna Cervical

Na região do pescoço, a coluna é formada por sete ossos, as vértebras, que repousam uma sobre a outra, como se formassem uma pilha de carretéis de linha de costura.

As principais funções da coluna cervical são suportar a cabeça, permitir que ela se mova, oferecer uma passagem protegida para o feixe de nervos. Sua flexibilidade, tão conveniente e necessária em nossa vida cotidiana, é também a causa e muitos dos nossos problemas.

Há uma pequena curvatura para dentro no pescoço, logo acima da cintura escapular. Essa curvatura é chamada lordose cervical. A negligência para com a postura pode ser observada quando a pessoa parece estar carregando a cabeça à frente do corpo, com o queixo projetado para frente. Nessa condição a lordose cervical fica deformada e sua forma alterada. Se essa postura se tornar freqüente, problemas no pescoço podem se manifestar.

 

Dor mecânica

Dores de origem mecânica ocorrem quando a articulação entre dois ossos é trazida a uma posição que sobrecarrega os ligamentos e outros tecidos moles circundantes.

 

 Dor mecânica no pescoço:

A dor mecânica no pescoço é causada pelo estiramento excessivo dos tecidos que circundam as articulações entre as vértebras, que formam um mecanismo de absorção de choques.

 

Estiramento excessivo:

O excesso de estiramento pode ser causado por uma força externa que exerça uma carga intensa e súbita sobre o pescoço, por exemplo, durante um acidente ou na prática de esportes de contato. Não há como evitar, com facilidade, esse tipo de esforço, já que ocorre inesperadamente.

O estiramento excessivo decorre de tensões posturais que infligem ao pescoço tensões menos intensas, porém ao longo de períodos mais longos.

Esse é um tipo de tensão que nós mesmos exercemos sobre nosso pescoço e que pode ser alterado com facilidade.

 

Dano a tecidos:

Em geral, acredita-se que a dor no pescoço é causada por distensão muscular. Não é verdade, os músculos, que são fonte de energia e a causa dos movimentos, quando estirados em excesso, em geral, curam-se com rapidez e raramente produzem dor.

Por outro lado, os tecidos moles, lesionam-se muito antes dos músculos. O problema real está na articulação afetada em torno dela. Ao cicatrizar, esses tecidos moles podem formar cicatrizes, encurtando e tornando-se menos elásticos. Nesse estágio mesmo os movimentos mais normais podem estirar as cicatrizes nessas estruturas encurtadas e provocar a dor. A menos que os exercícios apropriados sejam feitos para esticar e alongar essas estruturas, restaurando sua flexibilidade normal, elas podem se transformar em fontes constantes de dores de cabeça ou pescoço.

 

Protuberância no disco:

Complicações de outra natureza surgem se os ligamentos que circundam os discos forem lesionados de tal forma que os discos percam sua capacidade para absorver choques e sua parede externa se enfraqueça. Isso faz com que a parte macia do interior do disco se projete para fora, e nos casos externos, rompa e passe através do ligamento externo, o que pode causar sérios problemas. Quando a protuberância do disco se torna saliente para trás, pode causar dor, e às vezes é sentida como se estivesse bem longe da origem do problema, por exemplo, no braço ou na mão.

Em decorrência dessa protuberância, o disco pode deformar a ponto de impedir que as vértebras se alinhem adequadamente durante o movimento, causando muita dor e bloqueando os movimentos.

 

A maioria das dores no pescoço ocorre em conseqüência de sobrecarga mecânica, nesse caso a Terapia Mecânica pode ser terapia que melhor resultado trará para diagnosticar o estado real do tecido e oferecer a melhor estratégia de tratamento.

 

Adaptado do livro Trate Você Mesmo seu Pescoço

De Robin Mckenzie

Agende sua avaliação ligue (45) 3025 2064

2010 Fisiológica - Todos os direitos reservados 45 - 3025 - 2064 - Design by Coerência